Seja bem vindo/a. A mesa da poesia está posta. Sirva-se.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Pólen de poesia






Aguardo ansioso
o eclodir da próxima Primavera

À espera que as plantas desabrochem
para também eu espalhar poemas no ar
deixando que os meus versos
se diluam nas gotas do orvalho matinal
e se transformem em grãos de pólen
que levados pela brisa primaveril
nos bicos das aves
e nas patas das abelhas
penetrem nos gineceus das flores
e as engravidem

E assim a Primavera
quando florir o mês de Abril
terá a cor
a luz
o som
o sabor do amor juvenil
e a alegria
da minha própria poesia



terça-feira, 25 de julho de 2017

Lamúrias de amor da sibila Dores Roha



Apenas tu ser amado
não duvido
tens a ver com a felicidade
que vivo a teu lado

Se me assalta a angústia da separação
qual vento desalmado
te digo do fundo do coração
o sofrimento que adviria
nada teria a ver contigo

Porque ninguém ama por obrigação
ou continua a amar
por gratidão

Depende de mim continuar a apertar as tuas mãos
e de ti continuar a beijar
com teus lábios os meus
mas é no amar e desamar
que mais dependemos de Deus

Não deixaria de te amar
nem que te afastasses de mim
ainda que o amor fosse então
uma saudade sem fim

 in Códice da Pátria Luanca (Ver o Verso Edições, 2006)



domingo, 16 de julho de 2017

Mais me espanto comigo que com o mundo



Tudo que é dúvida reside em mim
e não no mundo

No mundo que caminha
vive
nasce
mata e morre
sem se deter
indiferente ao meu querer

No mundo que parece não ter dúvidas
caminhar sem hesitar
e nele tudo bater certo
desde o nascimento à morte

Mas comigo não é tanto assim

Eu sou um espanto
para mim

Mais me espanto com a minha angústia
e cada vez mais me surpreende não saber
porquê ou para que nasci
nem o que faço aqui
ou o que faria se estivesse em qualquer outro lugar

Mais me espanto comigo que com o mundo
e o meu espanto seria igual
estivesse eu em qualquer outro lugar
e fizesse fosse lá o que fosse

Mais parece que vivo um sonho
um pesadelo
um quebranto

De que tento
afanosamente
acordar



terça-feira, 11 de julho de 2017

Fim do infinito, termo da eternidade




O Absoluto é atributo de Deus
e instituto dos anjos

No qual crentes e ateus
infinito e eternidade
dúvida e verdade
se irão consumar

Por isso não tem sentido a eternidade
por não haver relógio para contar o tempo
sem cessar

Nem tem sentido o infinito
por não haver régua para medir o comprimento
sem se esgotar

Por isso pode o início do tempo
e o princípio do espaço
o homem sincronizar
jamais seu fim e seu termo determinar

Por isso o fim da dúvida é o princípio da verdade
e o fim da dor o começo da felicidade

E tudo se reduz ao amor
fim do infinito
e termo da eternidade



sexta-feira, 7 de julho de 2017

Lugares recônditos da minha alma  




Há lugares
recônditos
da minha alma
aonde
eu próprio
raras vezes vou

Apenas quando sou assediado
por algum evento inusitado

São aposentos reservados
onde não sopra o vento
nem se faz sentir a fúria do mar
ou as tempestades do viver comum

Ali me refugio
me protejo
e me liberto
em ambiente de espiritualidade

Tranco portas e janelas
tapo os ouvidos aos ruídos da rua
apenas deixo acesa uma luz
suave como a da Lua
e por ali fico na obscuridade
de alma distendida
até me acalmar

São lugares recônditos da minha alma
túneis
labirintos de espiritualidade